14 agosto 2012

Terremotos no Irã, Rússia e Japão - Documentário sobre armas climáticas na Record

Os dois terremotos de 6,3 e 6,4 graus de magnitude com poucos minutos de intervalo que abalaram o noroeste do Irã novamente num fatídico dia 11, deixaram 306 mortos, 3.037 feridos e mais de 16000 mil desabrigados.

E hoje dia 14, um fortíssimo terremoto sacudiu o leste da Rússia e o norte do Japão. Segundo a Agência Meteorológica do Japão, o tremor atingiu magnitude 7,3, mas Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS), informou que o sismo atingiu magnitude 7,7.

O violento abalo teve seu hipocentro localizado sob no mar de Ojotsk a 158 km ao nordeste da cidade russa de Poronaysk, a 625 km de profundidade que favoreceu a dissipação da energia antes de chegar à superfície e por isso não aconteceu nada grave em relação ao sismo.

Eu já escrevi o que penso sobre a haarp, acredito que eles utilizam as condições favoráveis da ionosfera para amplificar/intensificar eventos climáticos e geológicos. Sabemos que por conta de mais um ciclo natural que termina e que traz com ele mudanças em todos os níveis, as condições são mais que favoráveis, as mudanças estão acontecendo no sistema solar inteiro e não descarto a possibilidade das pestinhas doentes utilizarem armas como a haarp para intimidar "o inimigo" dessa forma.

Onde começa um e termina o outro, fica difícil saber, mas vale lembrar que a intensidade dos terremotos nos últimos dias tem aumentado significativamente, os alertas nos EUA sobre movimentação militar e terremotos na costa oeste também e já perdi as contas das erupções vulcânicas, quem acompanha os links das notícias deve ter percebido em que pé estamos e para onde a carruagem se dirige.

Assisti uma matéria sobre armas climáticas que foi exibido no Domingo Espetacular na Record em 2011, como sempre, as informações chegam a conta gotas e fica a critério de quem assistiu procurar saber mais a respeito, eu achei a matéria bem feita, o que estraga só para variar são sempre os "especialistas brasileiros", que não observam os fatos e a história, apenas batem o martelo do "isso ainda não é possível", mas a matéria está bem organizada e fala também sobre os chemtrails que sabemos possuir relação direta com a haarp, vale a pena assistir.

Ravena



http://earthquake.usgs.gov/earthquakes/recenteqsww/Quakes/quakes_all.php
http://www.painelglobal.com.br/
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/08/forte-terremoto-sacode-o-leste-da-russia-e-o-norte-do-japao.html
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/08/forte-terremoto-sacode-o-leste-da-russia-e-o-norte-do-japao.html

4 comentários:

  1. Ravena,

    Não sei se alguém reparou, mas quando é mostrado uma animação do mapa mundial com 22 destas maravilhas de armas climáticas, aparece uma sinalização no Brasil. Será que já estamos enviando chuva para a China, terremoto pro Irã, seca para os EUA!? É muito avanço tecnológico...



    ResponderExcluir
  2. Seria uma represália americana contra Irã e Síria, utilizando o HAARP? Já que não podem invadir nenhum dos dois paises, estão usando de artifícios que não podem ser provados ainda para conter em parte a ação destes paises!É certo que a região é de área sismológica, mas tantos terremotos assim me parecem suspeitos, ainda mais nesse tempo de crise.
    Ravena, acompanho seu Blog a alguns anos e gostaria de parabenizar. Gostaria de te indicar um super livro que li recentemente chamado O Universo Holográfico, tenho em pdf, caso queira posso enviar no seu email.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Todos estes terremotos foram previstos por Luigo Legna Mestre Mor da Ordem Esfera perene com antecedência de 9 dias. Bom está lá com data no facebook oficial do Mestre Mor. E tem mais, ele previu um que ainda virá e será muito maior.

    ResponderExcluir
  4. A sim, está em anagrama, mas numa forma de fácil entendimento, não tão enigmático, qualquer um não iniciado poderá entender!

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".