05 junho 2012

Trânsito de Vênus - Código de Vênus

Foto do eclipse do dia 4 - 37% escurecida 

Ontem dia 4, ocorreu um eclipse parcial lunar, os moradores do leste da Ásia, da Austrália e de parte da América do Norte observaram a Lua que ficou 37% escurecida por volta das 21 horas ( 8 horas em Brasília)

E hoje dia 5, o céu será palco de um raro fenômeno celeste que nenhum ser humano vivo poderá presenciar outra vez. Trata-se do trânsito de Vênus, um momento muito especial em que o brilhante planeta cruzará o disco solar. 

Os trânsitos de Vênus são bem conhecidos e têm um período variável embora previsível: a um intervalo de 8 anos segue-se outro de 121,5 anos, posteriormente acontece um trânsito 8 anos mais tarde para voltar a acontecer 105,5 anos depois. São muito raros e acontecem em pares, o evento dessa terça-feira é o par do trânsito ocorrido em 2004 e o próximo par será daqui a 105 anos em 11 de dezembro de 2117.


O trânsito começa nesta terça-feira (dia 5, às 19h09 no horário de Brasília) a oeste do Meridiano de Greenwich e na quarta-feira (6) a leste dele. Ele vai durar seis horas e 40 minutos e será visível do oeste do Pacífico ao leste da Ásia e leste da Austrália. Mas no Brasil, ele só será visto por habitantes do extremo oeste do país, durante o pôr-do-sol, Vênus será observado como um pontinho sobre o Sol, infelizmente a maioria de nós perderá o espetáculo ao vivo e a cores, mas você pode acompanhar o evento no site ApoloChannel.

É um evento tão único que escolas e museus ao redor do planeta estão preparando festas para acompanhar o fenômeno e os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional também estão planejando acompanhar o evento.

Qual é a importância científica de um trânsito de Vênus?  
Edmund Halley, descobridor do cometa que leva seu nome, percebeu que por meio dele é posível medir com grande precisão a distância Terra - Sol, parâmetro que define a escala do Sistema Solar. 

Não só Edmundo Halley percebeu a importância desse evento. Os astrônomos maias tinham um conhecimento notável do movimento aparente de Vénus. 

Eles sabiam em que dia Vénus apareceria a Leste depois de ter desaparecido a Oeste. Mais ainda, eles sabiam que a cada 2920 dias (mais ou menos 8 anos) Vénus repetia os seus movimentos em relação ao Sol.

Os maias determinaram com grande aproximação o período sinódico (o tempo que leva um astro (objeto) a reaparecer no mesmo local em sucessiva conjunções com o Sol) de Vénus, que segundo os astrônomos modernos é de 583.92 dias. Para os maias, ele foi calculado em 584 dias.

Os seus astrônomos-sacerdotes perceberam que a Estrela da Manhã e Estrela da Noite eram o mesmo planeta, um fato não apreciado, por exemplo, dos gregos como Homero. Para o período sinódico de Vênus, eles usaram a figura representando 584 dias, o número inteiro mais próximo ao valor verdadeiro, 583,92. Este período sinódico foi dividido em quatro posições de Vênus: 

Estrela da Manhã (236 dias); 
O Desaparecimento em Conjunção Superior (90 dias), 
 Evening Star (250 dias) e 
O Desaparecimento (na Conjunção Inferior ) (8 dias). 

O grande ciclo desse calendário, equivalente ao nosso século, é alcançado após 65 períodos de Vênus. Neste ponto, os sacerdotes astecas acreditavam, que o mundo poderia acabar, por isso todos os incêndios no império eram extintos, para serem reacendidos apenas quando as Plêiades atravessavam o auge em vez de parar.

O nascer helíaco (nascimento de um astro que coincide com o Sol) de Vênus foi um evento fantástico para os meso-americanos, que consideravam a influência do planeta decididamente funesta.

                                                               Borgia Codex. Mixcoatl / Venus
O Calendários de Vênus baseados na equação de 65 Períodos são encontrados nos códices Cospi, Borgia, B e Vaticanus, em que cinco deuses representando Vênus, cada um associado a cinco sucessivos levantamentos heliacal do planeta, são desenhados com uma lança em suas vítimas

Os maias também estavam  numa posição geográfica privilegiada, por exemplo: dos 40 Trânsitos de Vênus que aconteceram entre o ano 2000 AC e 1500 DC (conquista espanhola), eles observaram o fenômeno pelo menos 36 vezes. 

O calendário de Vênus no Códice de Dresden, considerado o mais importante dos poucos que ainda restam da maioria que foram destruídos pelos espanhóis durante a invasão da América Latina,  mostra que os maias tinham um cerimonial mais complexo e idéias de calendário associado a ele.


Como ciclo de Vênus era um calendário importante para os maias, existem seis páginas no Códice de Dresden dedicadas ao cálculo preciso da localização de Vênus.

Os antigos maias, utilizavam as portas e janelas dos seus edificios como apontadores astronômicos, especialmente para Vênus. Em Uxmal, por exemplo, todos os edifícios estão alinhados na mesma direção.


Os maias ofereciam numerosos sacrifícios humanos a Vênus e ao Sol. Vênus era o planeta patrono da guerra para os Maias e usavam-no para determinar os tempos apropriados para as coroações e guerras.  Os governantes maias planejavam as guerras de modo a terem o seu início quando Vênus aparecesse no céu no Oriente após ter desaparecido no Ocidente, por isso que as datas de várias batalhas estão ligadas a posições chave do ciclo de Vénus.


Alguns pesquisadores que interpretaram os códices maias dizem que depois dos 13 longos períodos de tempo (Baktuns) depois do Trânsito de Vênus o mundo chegaria ao fim de uma Era, coincidência ou não o fim do calendário maia e o evento de Vênus acontecem esse ano, o próximo só em 2.117. 

Acreditam no retorno do "Jaguar Serpente" ou Kukulcan / Quetzalcoatl, e uma de suas profecias estabelece que depois de um terremoto global, “o novo homem do conhecimento” irá retornar para a terra para estabelecer um governo global. 

De acordo com o livro A Profecia de Orion de Patrick Geryl, que explica dezenas de cálculos que são difíceis de explicar em poucas linhas, tem que ler o livro mesmo,  os maias basearam seus cálculos no giro de quinhentos e oitenta e quatro dias do planeta Vênus para calibrar seus cálculos solares, que civilizações antigas acharam e deixaram registrados uma conexão entre o ciclo das manchas solares e o campo magnético da Terra e que quando Vênus e Órion localizam-se em posições de códigos específicos, pode-se prever o próximo desastre.  Sempre tudo tem a ver com o Sol e com ciclos que os astrônomos atuais não compreendem. 

O livro também diz que chamas solares acenderão a atmosfera de Vênus.

Trechinho do livro:


Ao comparar os dados das escrituras sacras com os de outros livros que leio, tudo se torna muito mais claro: Chamas solares acenderão a atmosfera de Vênus, como a luz polar, e se tornará tão visível como a Lua, ou inclusive mais ainda, e parte da atmosfera de Vênus explorará no espaço.
Os maias descreveram estes eventos: Vênus era como um segundo Sol e tinha uma cauda. Por estas razões, os atlantes, os maias e os egípcios consideraram Vênus como o sinal mais importante do céu.
A significativa conclusão que se pode extrair disto é que, tanto os maias como os egípcios, seguiram Vênus de maneira precisa porque sabiam que se reacenderia no céu quando se produzir o
próximo cataclismo!


Vênus é um planeta facilmente visível no céu porque sua órbita fica entre a Terra e o Sol, ainda de acordo com Patrick Geryl, , os maias deixaram registrado no códice Dresden que cada 117 giros de Vênus marcados cada vez que aparece no mesmo sítio no céu, o Sol sofre fortes alterações, aparecem enormes manchas ou erupções de vento solar. Advertiram que cada 1.872.000 kines ou 5.125 anos acontecem alterações ainda maiores e o homem precisa ficar alerta, é o presságio de mudanças e destruição.

Ele diz também que o O Trânsito de Vênus seria o evento que marca ou aconteceria meses antes de um cataclismo:

Grandes explosões solares
Campo Magnético da Terra que está enfraquecido, diminuiria de vez
As explosões solares alterariam o funcionamento do núcleo da Terra
Ocorreria uma inversão polar
A rotação da Terra diminuiria rapidamente para então girar na direção oposta

E ele afirma que isso tudo aconteceria em único dia no final de 2012. O livro é interessante por causa das interpretações e dos cálculos que ele explica para "provar" a existência desse código Vênus-Orion, achei também interessante sua interpretação sobre chamas solares acendendo a atmosfera de Vênus que dependendo da chamuscada, realmente poderia aos observadores da Terra, parecer um "segundo Sol", no entanto afirmar que tudo isso aconteceria de uma só vez e em poucas horas no dia 21 de dezembro, é o mesmo que afirmar que tudo acontecerá exatamente como no filme 2012 e eu Ravena, não acredito que as coisas sejam assim "tão simples", nossas mentes são complicadas e para que qualquer cenário se materialize a humanidade precisa trabalhar em cima dos scripts e como nos apresentaram muitos, as possibilidades são todas e ter conhecimento (informação) delas é um "privilégio conquistado". 

Ravena


Imagens SDO and GOES SXI





10 comentários:

  1. VEJAM O TRÂNSITO DE VÊNUS AO VIVO NESTE LINK:

    http://www.exploratorium.edu/venus/?bcpid=1674755242001&bckey=AQ~~,AAAA5ASMEgE~,Z-GerkCqVHQYVbSLU0k6ICPPMtxtL9t2&bclid=1644541514001&bctid=1543762740001

    ResponderExcluir
  2. Estou vendo em http://www.nasa.gov/externalflash/venus_transit/index.html,e acho que esta melhor que no APOLLO 11.
    Excelente a postagem pelo valor das informações.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Senam, tudo bem contigo?
      Valeu pelos links, vi ontem.

      Abração

      Excluir
  3. Estou vendo em http://www.nasa.gov/externalflash/venus_transit/index.html e esta nítido e firme a imagem. Valeu pelas informações da postagem. Acrescentaram muito ao que sabia.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Ravena is back!!!! Que falta você faz....a sua presença é mais importante que Venus ou a chegada de Nibirú em 2012. Estrêlas e Planetas não falam e nem pensam. A Ravena é uma força pensante do universo. É tudo que importa.

    Nós, habitantes do planeta Terra, estamos maravilhados com a passagem de Venus entre o Sol e a Terra. Imagino que somos bebês protegidos na caminha observando o que se passa ao redor. Porém alguns "bebês astronautas da NASA", conseguiram colocar seus pézinhos no satélite natural da Terra. E quem sabe, daqui a 10 mil anos, os nossos bebês astronautas chegarão na constelação de Orion. Acreditar na reencarnação me dá um certo conforto. Anyway, o que é o tempo?
    Na verdade precisamos uns dos outros. Precisamos da Ravena junto da gente.
    O que importa planetas ?

    Tharcon

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ha ha ha...só você Tharcon! Abraço querido.

      Excluir
  5. Olá Ravena, mais uma vez um excelente post. Tinha comentado sobre o trânsito em outro post e é bem isso mesmo. Para quem gosta do assunto, deve ler a profecia de orion. Os calculos realmente, não me detive muito tempo neles não, hehehe. Também acho difícil as coisas acontecerem de uma hora para a outra, a menos que algo atinja o sol e o faça ficar mais feio que bronzeamento artificial mal feito. O maior candidato que vejo para isso é a nexus. Você sabe alguma coisa sobre a posição de orion. É realmente este ano que, teoricamente, marcaria o retorno das estrelas a suposta posição em que as pirâmides foram construídas? E outra duvida, que tive muito tempo depois de ler o livro: no caso das pirâmides devemos considerar qual constelação, orion ou cisne?

    No mais, é como você nos mostrou: clima alterado, campo magnético alterado, aquecimento global do sistema solar, terremotos aos montes, etc. São pistas de que há algo fora do eixo...

    Erico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De acordo com os cálculos de Patrick Geryl no livro é mesmo esse ano e considera-se a constelação de Orion.

      Abraço Erico

      Excluir
  6. Veio 20 de Maio, veio o trânsito de Vênus, nada mudou. Nos resta esperar pelas olim(piadas) de Londres pra ver se começa o auê tão esperado para este ano. Quanto á profecia de Órion, não penso que os achados e os cálculos do autor façam alusão a um acontecimento futuro, e sim a um acontecimento do passado. Pensem: a um ano atrás, as estrelas estavam quase exatamente onde estão hoje, descontando o movimento de precessão dos equinócios. Se eu fosse marcar algo que me aconteceu ano passado, marcaria com aquelas coordenadas celestes, e quem as encontrasse poderia interpretar como um aviso de que o que me aconteceu acontecerá novamente quando o céu estiver com aquela configuração que registrei. É uma comparação simplória, mas que ilustra a mentalidade do autor, Patrick Geryl, se não me engano. Bom, o jeito é continuar vivendo aqui no planeta dos vampiros até que a morte me separe dele. Vem senhor Jesus, amém. Abraço

    ResponderExcluir
  7. Pouco a pouco ,la vamos nós para o destino Universal,) não creio que tudo aconteça,ao mesmo tempo agora,afinal existe o tempo ...rs).Se observarmos o nosso dia a dia,vamos perceber que algo esta diferente no tempo espaço,e nem tenho horror ou medo em relação a isso,apenas a certeza que o fundamental é preparar a alma,o ser interior,nos prepararmos,para as mudanças que ja ocorrem,e seguirmos em frente pela eternidade,em varias formas.
    PAX ET LUX SEMPER!
    NAMASTÊ!

    KADUDOX

    ResponderExcluir

Comentário anônimo não será mais publicado devido a inúmeras discussões sem o menor sentido que alguns sem sintonia nenhuma no blog insistem em discutir com o objetivo de tumultuar o espaço que é feito para complementar e compartilhar informações e opiniões (não ofensas), a identificação também facilita o "diálogo".